Aprenda tudo sobre a aliança e seus diversos usos

Início/Sem categoria/Aprenda tudo sobre a aliança e seus diversos usos

Aprenda tudo sobre a aliança e seus diversos usos

5 dicas para economizar nas alianças de noivado 1 300x200 - Aprenda tudo sobre a aliança e seus diversos usos

Bride’s hands with expensive engagement ring on wedding dress

O par de brincos favorito, aquele colar deslumbrante, as pulseiras graciosas: todos sabemos exatamente como as joias fazem toda a diferença em qualquer produção, seja na forma como nos vemos no espelho ou mesmo na maneira como queremos nos expressar para o mundo. Mas nenhuma delas tem o impacto e o significado de uma aliança. Sim, entre todos os acessórios, o que mais diz sobre você é o mais singelo dos anéis: na mão direita aponta para uma relação que se consolida, enquanto na esquerda representa um relacionamento consagrado pelo casamento.

Mais do que isso, alianças representam uma saga de encontros — e desencontros também, por que não? —, autoconhecimento, convivência, companheirismo, paixão e tudo mais que compõe uma bela história de amor. Uma história, aliás, que é só sua e do seu amor, de ninguém mais. Assim como seu estilo e seus sonhos. E é exatamente por isso que resolvemos trazer este guia para você, já que, mais do que um simples adorno no dedo, queremos que sua aliança seja uma experiência única, bela, duradoura e com detalhes magníficos para compartilhar com quem mais importa. Então fique de olho no que separamos a respeito desse símbolo da união:

Os primórdios da aliança

Pense bem: na solteirice, a aliança é o primeiro grande sinal pelo qual procuramos nas pessoas que nos interessam, certo? A conclusão costuma ser simples: se não está lá, é indicativo de que podemos ir adiante, não é mesmo? Já quando entramos em um relacionamento sério e passamos a ostentá-la, a aliança se transforma em uma prova de comprometimento no que se refere a levar adiante a parceria e o amor que devotamos a alguém. E esses sentidos dados às alianças são unânimes praticamente no planeta inteiro, o que se explica por tradições mais antigas do que a nossa própria civilização.

Na realidade, o uso de alianças remonta a pelo menos 3 mil anos antes de Cristo, quando egípcios e hindus já associavam anéis nos dedos a status de relacionamentos. As peças, aliás, não eram feitas de metal, muito menos nobre. Na época, ervas, varetas ou mesmo pedaços do já conhecido papiro torcidos serviam para fabricá-las e marcar uniões. A forma circular significava, nessas culturas, eternidade e infinitude. Quando, mais de 2 mil anos depois disso, Alexandre, o Grande conquistou o Egito, acabou levando o costume de lá para a Grécia. Com a invasão do território pelos romanos, a prática se espalhou de vez, mas aí já com algumas diferenças. Nesse momento, se os homens romanos oferecessem uma aliança a uma mulher não indicava necessariamente amor, mas sim posse.

Ao longo dos séculos, a tradição se disseminou e alcançou as instituições religiosas. Hoje já faz mais de mil anos que os cristãos inseriram os anéis nas cerimônias de casamento. E olha que não se tratava de uma joia comum ou lisa, viu? Naquele tempo se considerava que quanto mais adornada e cara fosse a aliança, maior seria o amor do casal. Só aí já dá para imaginar o exagero de alguns românticos, não é verdade?

O quarto dedo e as mãos

Não, não é apenas convenção, é história mesmo — e dessas mais antigas que a própria tradição de se usar vestido branco, véu, grinalda e tocar a marcha nupcial nas cerimônias. Lá atrás, por volta do ano de 860, o Papa Nicolau I instituiu que tanto os homens quanto as mulheres deveriam afirmar publicamente sua vontade de constituir família. Para isso, casais passaram a contar, então, com mais uma fase no relacionamento, a do noivado, em que ostentariam um anel no quarto dedo da mão direita. A posição da joia só mudaria com o casamento, levando-a para o anelar da mão esquerda.

São várias as versões que explicam o porquê disso, sendo que uma delas associa a tradição ao fato de que o lado esquerdo é aquele em que está, também, o coração. Os próprios romanos acreditavam que no dedo anelar esquerdo haveria uma veia — a chamada veia Amoris — ligada diretamente ao peito. E por mais que a ciência já tenha provado não passar de uma crença popular, ainda assim o costume persistiu.

E sabia que a própria Igreja Católica ajudou nessa manutenção? A princípio era comum que os padres recitassem “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” colocando o anel de casamento, levemente, em cada um dos dedos dos noivos, partindo do dedão. Assim, ao chegar ao anelar, o amém era pronunciado e a aliança finalmente colocada, selando o matrimônio.

Um conto oriental

Os chineses também disseminam uma belíssima história na tentativa de explicar o porquê de a aliança de casamento ser usada na mão esquerda. A lenda ganhou força na internet nos últimos anos e, como não poderia deixar de ser, é carregada de simplicidade e singeleza, o que explica — pelo menos em partes — seu sucesso. Afinal de contas, somos românticos incorrigíveis, não é mesmo?

Pois bem: no Oriente se associa cada par de dedos das mãos a pessoas específicas e importantes na nossa existência. Os polegares, por exemplo, seriam nossos pais. Os indicadores, por sua vez, os irmãos e os amigos. Os dedos médios seríamos nós mesmos e os mindinhos representariam nossos filhos. Os anelares, claro, não poderiam faltar nessa classificação! E se você imaginou que se assumiriam como nossos cônjuges, acertou em cheio.

Na verdade, o conto pede que o leitor ou ouvinte junte as duas mãos, dedo com dedo e palma com palma. Nesse posição, os médios devem ser posicionados para dentro, como se apontassem para você, enquanto os demais ficam para fora. Fez o teste? Então repare como é possível separar todos eles, mas com exceção dos anelares. Pois no Oriente, a explicação é que acabamos eventualmente nos separando de pais, amigos, irmãos e filhos ao longo da vida. Os primeiros porque, infelizmente, não duram para sempre, os amigos e irmãos porque seguem seus caminhos com suas próprias famílias e os filhos porque crescem. Já os cônjuges estão destinados a permanecerem conosco para o resto de nossas vidas, unidos por um amor que não tem fim.

E para representar essa união voluntária e infinita, nada mais digno que alianças fortes, duradouras e cheias de estilo — independentemente se são de compromisso, noivado ou casamento. E se está em dúvida sobre quando usar a sua e qual exatamente escolher, vale continuar lendo!

A novidade das alianças de compromisso

A troca de olhares, os primeiros papos, o toque das mãos, o beijo, novos encontros, pensamentos constantes, telefonemas, coração acelerado e, finalmente, o namoro. Tudo bem que o roteiro da sua história de amor pode não ter sido bem esse, mas uma coisa todos os casais têm em comum: uma trajetória inteira de conquistas diárias, desafios vencidos e sentimentos fortalecidos. E é exatamente por isso que muita gente gosta de externar sua felicidade por meio das alianças de compromisso.

Também usados na mão direita, esses anéis simbolizam um relacionamento estável que aponta para um futuro duradouro. Porém, ao contrário das alianças de noivado e de casamento, as origens desse costume são desconhecidas. De toda forma, fato é que o hábito vem ganhando adesão de cada vez mais casais ano a ano, tornando-se, inclusive, um presente sugestivo para o Dia dos Namorados — afinal, nada mais romântico do que mostrar a quem se ama que o compromisso é mais do que sério e que há disposição de sinalizá-lo a quem quer que seja, não concorda?

Isso não significa, porém, que trocar alianças de compromisso seja tão simples quanto escrever cartões de aniversário de namoro. Ostentar um anel como esse requer pensar bem sobre a decisão a ser tomada, ter certeza de que esse também é o desejo do outro e, claro, escolher a peça que mais tenha a ver com o casal!

O momento certo para a aliança de namoro

Quer saber quando é o momento certo para usar uma aliança de namoro? Pois a resposta para essa pergunta é simples: quando ambos estiverem confortáveis o suficiente para esse passo! Lembre-se de que essa aliança é, antes de tudo, um símbolo de grande afinidade, o que significa compasso e sintonia na tomada de decisões.

Às vezes estamos tão encantados, apaixonados e ansiosos dentro de uma relação, que mal podemos esperar pela hora de mostrar ao mundo a conexão e a parceria que existem ali. Mas é importante ter atenção aos sinais de que o outro também quer o mesmo e se sente pronto para embarcar em um compromisso tão sério. Se ao analisar esses dilemas o resultado for um sonoro sim, então não importa se estão juntos há uma semana ou há uma década, o que conta, de fato, é o interesse em se comprometerem em um nível mais significativo.

O material das alianças

Quando a aliança é de compromisso, a tendência é apostar em cores diferentes das normalmente vistas em alianças de casamento. E essa variação vale, também, para os materiais. Com isso, é totalmente permitido presentear seu amor com uma joia de prata ou mesmo de aço, por exemplo. Mas caso a ideia seja marcar esse momento com um anel mais sofisticado, a aposta mais do que certa é nas peças em ouro branco.

E não faltam opções de design e estilo para agradar aos casais, indo dos aros tradicionais às alianças cravadas em pedras, passando, é claro, pelos charmosos frisos diamantados e pelas modernas inspirações onduladas. A escolha depende do perfil dos apaixonados, adequando-se tanto aos mais clássicos e discretos quanto aos mais românticos, esportivos ou ousados. E se você está por aí pensando que gosta mesmo é das versões douradas, sem problema! Lembre-se de que não há regras quando o assunto é valorizar sua história e representa-la com uma aliança! Modelos em ouro também são mais que bem-vindos!

A questão da personalização

Gravar detalhes como a data do aniversário de namoro, o nome ou o apelido da pessoa amada e até mesmo de uma música que tenha tudo a ver com o casal é uma forma super romântica de dar à aliança um estilo ainda mais pessoal e próximo de vocês. Que tal pensar nessa possibilidade também?

O pé no altar das alianças de noivado

Há mais de mil anos, a determinação do Papa Nicolau I foi clara: se a pretensão era se casar, então antes seria preciso desfilar por aí com uma aliança na mão direita, deixando claro para a sociedade suas intenções. Sim, àquela época as decisões da igreja tinham peso de norma.

Com o passar do tempo, o noivado deixou de ser uma obrigação antes do casamento em si, mas a maioria dos casais ainda curte viver essa fase não só como símbolo de que a história de amor evoluiu, mas também como estágio preparatório para o casamento, momento de organizar as finanças, a vida profissional e, claro, as próprias celebrações e festanças!

A aliança de noivado em si

Diferentemente do primeiro século, quando os envolvimentos afetivos seguiam regras rígidas, a modernidade traz a leveza das escolhas para os apaixonados. Hoje em dia, os noivos costumam investir em pares de anéis que, após o casamento, só mudarão de lado, passando da mão direita para a esquerda. Mas há, sim, quem opte por anéis diferentes para simbolizar essas variações de estágios na vida. Há casais, por exemplo, que usam as alianças de noivado juntamente com as de casamento, criando um modelo bem pessoal de joia.

A semelhança dos anéis do casal

Definitivamente não é preciso que os noivos usem o mesmo modelo de aliança. É bem comum, aliás, que a joia da noiva conte com detalhes extras, dando um toque mais feminino à peça, enquanto a aliança masculina se aproxima dos modelos mais clássicos. As próprias joalherias já se adequam a essa tendência e contam, em seu portfólio, com pares que apostam nesses diferenciais, incluindo desde frisos e delicadas pedras a atraentes detalhes esculpidos em apenas uma das joias.

Em outros casos, os apaixonados escolhem importar um costume bem comum nos Estados Unidos e na Inglaterra: por lá, apenas a noiva usa a aliança, que em geral é um anel com estilo mais pomposo e cheio de brilhantes. Nessas culturas, a aliança é considerada um verdadeiro presente do noivo que, após o casamento, passará a usar, assim como a amada, uma aliança com características mais comuns.

O dourado das peças

Será que as alianças de noivado precisam ser douradas? Pois novamente a resposta é negativa — mas daqueles negativos gostosos, porque esse não aqui acaba sendo extremamente positivo. A verdade é que, no fim das contas, as escolhas são do casal, que provavelmente quer apostar em sofisticação, delicadeza, elegância e beleza sem abrir mão do que mais importa: sua personalidade.

E isso inclui, claro, a cor da aliança que carregarão nas mãos direitas! Assim, quem escolhe manter o anel de noivado como joia também do casamento costuma apostar de cara no tradicional ouro dourado. Já os casais que querem marcar cada fase do relacionamento com anéis distintos ou mesmo colorações variadas ostentam peças não apenas em ouro branco como também no moderníssimo e ousado ouro rosé. Isso sem falar, é claro, nos modelos que mesclam coloraçõesdiferentes de metal.

sim com as alianças de casamento

Vestido de noiva e fraque do noivo escolhidos, data e hora marcados na igreja, decoração decidida, daminhas e pajens preparados, marcha nupcial como toque do celular: tudo pronto para o grande momento. Ou seria quase pronto? Afinal, as alianças também têm um papel importantíssimo não apenas na cerimônia de casamento em si, mas nos dias que virão.

Lembre-se de que essas serão as joias que estarão sempre com vocês, ocupando um lugarzinho todo especial em suas mãos esquerdas e significando que vocês vivem um amor profundo, tendo dito sim tanto para a alegria como para a tristeza, assim como para a saúde e também a doença. Exatamente por isso, trata-se de uma escolha tão importante quanto todos os outros detalhes. E nós podemos ajudar nisso!

As opções para todos os orçamentos

Diferentemente das outras alianças, a de casamento acaba ganhando aquela aura de joia definitiva, que acompanhará o amor e a união do casal eternamente. Talvez por esse motivo, é comum a crença de que os anéis de casamento sejam caríssimos e levem as finanças dos preparativos às alturas. Mas atenção, porque temos uma boa notícia para você: tão democráticos quanto os estilos são os valores das alianças, cabendo a vocês decidirem que opção se adapta melhor ao momento.

A escolha de acordo com o estilo

E sabia que também há modelos para todos os gostos e perfis? Afinal, se cada história de amor é diferente, o mesmo deve valer para o anel que os apaixonados levarão nos dedos, não acha? Enquanto em um passado não muito distante os casais usavam joias praticamente idênticas, muito limitadas aos aros dourados e finos, hoje é totalmente possível apostar em designs absolutamente variados, tornando o casamento único em todos os seus detalhes.

E não há exagero nisso! Já ouviu falar, por exemplo, em alianças quadradas? Pois elas existem! São peças com acabamentos retos que fazem seu formato externo se diferenciar dos círculos convencionais sem fugir da simbologia ligada ao infinito. Além disso, elas costumam ser um pouco maiores que as habituais, destacando o compromisso entre os amados.

Já se a ideia é apostar em desenhos maiores, mas tradicionais, as alianças abauladas surgem como as melhores opções, atendendo exatamente a essas demandas ao mesmo tempo em que permitem, também, o acréscimo de mais detalhes e customizações. Há ainda outro aspecto interessante: todo esse design faz com que as peças também se tornem mais confortáveis, principalmente para quem tem dedos mais largos.

Quer ousar? Então olhe com carinho para as opções côncavas, que despontam por sua modernidade e seu acabamento diferenciado. Há ainda as peças diamantadas, marcadas por uma textura rústica que confere brilho intenso à joia. E esse é um exemplo de elegância e sofisticação que ainda pode ir bem além com os modelos luxo.

Inovadores, ricos em diferenciais e possibilidades, o design desses anéis permitem acabamentos que vão de mesclagens à incorporação de pedras. E os românticos à moda antiga, claro, não poderiam ficar de fora, com as alianças tradicionaisseguindo em alta e cheias de inspiração.

Vale sempre lembrar, também, que os aparadores dão ainda mais charme e funcionalidade às alianças. Assim, os apaixonados que escolhem manter as joias do noivado na cerimônia de casamento podem dar nova cara ao design dos anéis antigos ou mesmo resolver pequenos impasses — como dedos afinados ao longo do tempo, fazendo com que a aliança passe a deslizar.

A dúvida entre prata ou ouro

Decidir que aliança comprar envolve bem mais que escolher design, detalhes e customizações. É bem provável, na realidade, que uma pergunta acabe rondando a mente de quem se vê frente a frente com uma gama enorme de modelos: prata ou ouro?

A prata é a grande campeã quando o assunto é discrição, economia e tranquilidade no contato com peles mais sensíveis. No entanto, esse material peca quando o tópico de análise é durabilidade. Na comparação com o ouro, por exemplo, seus índices de longevidade chegam a ser 50% inferiores.

O ouro, por sua vez, desponta como extremamente confiável nesse quesito, principalmente quando se trata do 18k, que além de resistente também se destaca por seu caráter romântico, luxuoso e atemporal. E isso é verdade especialmente quando se trata do ouro amarelo, resultante da mistura de sua versão pura com prata e cobre.

Já o branco, com aparência mais clássica e discreta, é resultado da combinação de paládio a prata, níquel, cobre ou zinco. Enquanto isso, a versão rosé aparece no mercado e na preferência daqueles que se inspiram no romantismo tradicional enquanto também colocam os pés em um pouquinho de modernidade e irreverência.

De toda forma, não há nada que signifique uma obrigação de exclusividade, viu? Não se esqueça de que é sempre possível brincar com o design, as qualidades e especificidades de cada metal, misturando-os em pequenos detalhes ou mesmo optando por versões ambíguas, com duas cores.

A decisão definitiva

Acredite: decidir que aliança dividirá com o amor da sua vida também requer um sim bastante firme, afinal, optar por um anel que marcará seu relacionamento — seja de compromisso, noivado ou casamento — é mais que realizar uma compra. É, na verdade, apaixonar-se, envolver-se pelos sentimentos ligados à sua história e pensar no futuro, em acordar todos os dias com uma joia simbolizando afeto, afinidades, vitórias e, claro, personalidade e conforto.

Sim, o casal também se relaciona, de certa forma, com o anel que sairá de uma caixinha de luxo e ornará suas mãos. Então a escolha precisa ser perfeita! E foi pensando nisso que resolvemos criar este guia. E aí, conseguimos ajudar? Já sabe delimitar pelo menos o que não quer para facilitar o processo? Comente aqui e divida suas impressões conosco!

 

ALLIANZE

2017-06-08T19:10:15+00:00

Um Comentário

  1. Andre em - Responder

    Falou falou e falou e não disse o que eu procurava. Sobre a diferença de uma aliança ser mais cara numa loja do que a da outra loja devido ao seu peso etc etc.kkkkk Quanta enrolacao……kkkk

Deixar Um Comentário